andré.santana [webdesign blog]

Archive for the ‘SEO’ Category

desenvolvendo-web

Existe mais ou menos um consenso entre os profissionais sobre o que observar ao desenvolver um bom website. Este artigo procura reunir estes pontos, com base em uma livre interpretação de alguns protocolos e padrões da W3C.

Nosso foco está nos sites de objetivos comerciais, cada vez mais o destino de compradores e especificadores nas compras de produtos entre empresas.

Sabemos que o processo de compra pode começar de diversas formas (através de revistas técnicas, sites de buscas, portais verticais ou indicação de colegas), mas sempre o comprador acessa o website do fornecedor antes de decidir a compra. É nesta hora que a qualidade do website e das informações que oferece se tornam um fator primordial em apoio à decisão de compra.

Um bom website deve oferecer uma navegação fácil, intuitiva e rápida em função da informação que o comprador procura.

Definir objetivos claros

Antes de qualquer ação, é preciso saber o que se espera do site que será desenvolvido. Sites sem objetivos claros são confusos, dispersos e dificultam o usuário a atingir suas necessidades. Para desenvolver um novo website ou reformular um já existente é necessário responder as seguintes perguntas:

  • qual a finalidade do website?;
  • qual o público-alvo?;
  • para quê o público-alvo vai utilizar o website?;
  • quais os principais concorrentes da empresa?;
  • quais as palavras-chaves que são ou devem ser utilizadas para que compradores encontrem o website em mecanismos de buscas?

Com base nas respostas a essas perguntas é possível criar um roteiro para servir de guia durante a fase de desenvolvimento, assegurando que o mercado comprador seja atendido.

Orientar e conduzir o usuário

Durante a navegação o usuário pode se perder nas páginas. Para minimizar essa dispersão, o website deve sempre informar o usuário em que página ele se encontra, como chegou até ali e quais são suas opções de saída.

Isso pode ser feito através de algumas recomendações:

  • a página principal deve informar ao usuário onde ele está e o que o website oferece;
  • em todas as páginas oferecer um link de retorno para a página principal;
  • durante a navegação, as páginas devem informar ao usuário onde ele está, de que página veio e para aonde ele pode seguir;
  • é imprescindível existir um mapa do site para que o usuário possa se localizar em qualquer momento da navegação;

Com relação aos links:

  • devem ser auto-explicativos;
  • evitar o uso de expressões como “clique aqui”;
  • marcar como link o texto (nome da empresa, título da página, assunto etc.) e não o endereço URL;
  • apontar exatamente para o conteúdo descrito no link;
  • em caso de conteúdo fechado, para usuários registrados, indicar graficamente ao lado do link (ex.: ícone de cadeado ou chave);
  • se possuir lista de links úteis, inserir comentários sobre cada link disponível;

Usar o atributo ALT da HTML (HyperText Markup Language), com o significado das imagens para que o texto apareça enquanto estiver sendo feito o download da figura ou quando o usuário optar por suprimir figuras na configuração do seu navegador web.
Continue lendo »

Anúncios

wowen-using-laptop

Você conhece aquele velho chavão do mundo dos negócios: contra fatos, não há argumentos. E para você, absorto em estratégias de marketing digital, “fatos” significam números positivos, que justifiquem os investimentos em seu website. Nada mais justificável, portanto, que você reserve grande parte de suas energias e capacidade de trabalho para obter métricas realmente significativas para seu negócio, ou então preparar uma otimização de seu site para que ele sempre fique nas primeiras posições dos buscadores.

Mas, cuidado: às vezes você pode se esquecer do seu usuário, de tão ocupado que está em tornar seu website um eficaz gerador de negócios. O equilíbrio é importante nestes casos, e veja como conseguir isto com estas dicas:

Não coloque a otimização acima do marketing.

Claro que seu objetivo maior é levar a maior quantidade possível de pessoas até seu website, mas, por favor, certifique-se que a escolha das palavras chave e as estratégias de otimização não façam com que sua mensagem chegue ao usuário de forma confusa, desfocada ou difícil de compreender. Não faça com que pessoas que não tenham interesse no que você tem para oferecer acreditem que sua empresa as esteja fazendo perder tempo – elas ficam contrariadas e tendem a demonstrar essa contrariedade ao maior número possível de pessoas.
Continue lendo »

flash_logo

Freqüentemente vejo em fóruns e blogs, alguns debates sobre o uso indiscriminado do Flash em alguns projetos.

É indiscutível que o Flash proporciona efeitos visuais incríveis ao usuário. Buscando essa experiência incrível, muitos desenvolvedores abusam (meu ponto de vista) da utilização do Flash. Assim, buscam uma ótima experiência para o usuário em detrimento de bons resultados para o cliente.

Nesse artigo vou focar o que você deve pensar antes de usar o Flash, do ponto de vista de SEO (Search Engine Optimization).

Como já disse, o Flash tem efeitos visuais muitos bons, mas os mecanismos de busca não têm olhos! Embora alguns poucos crawlers possam “abrir” o arquivo Flash e ler os seus textos e links, a estrutura e contextos são perdidos. Além disso, algumas vezes os textos são armazenados como figuras.

Mesmo que o crawler consiga indexar o conteúdo de um arquivo Flash, sempre ocorrerá perda de algum conteúdo, texto ou link. Além disso, como já foi dito, poucos crawlers conseguem “abrir” os arquivos Flash.

Então o que fazer, quando você precisa utilizar o Flash?

A primeira coisa é garantir que os mecanismos de busca consigam visualizar (ler) exatamente o que os seus usuários conseguem visualizar (ver).

Continue lendo »

E-mail

Bem, depois desta charge, vamos ao que realmente interessa:

Preocupe-se com a apresentação da mensagem

Otimize o nome do remetente e assunto da mensagem. Geralmente, o nome do remetente é o que determina se o e-mail marketing será deletado. O assunto é o que motiva as pessoas a abrirem o e-mail. Já existem ferramentas de e-mail marketing que contemplam recursos para visualização de como o nome do remetente e o assunto serão exibidos em diversos provedores e programas de e-mail.

A apresentação da sua mensagem pode ser prejudicada por conta dos diversos provedores, portanto, evite o uso do CSS, Java Script e formulários. Trabalhe o formato da mensagem em uma área máxima de 450 pixels de largura e deixe a altura o menor possível para evitar barra de rolagem.

Simplifique a mensagem

Os profissionais tendem a enviar as mensagens sobrecarregadas de ofertas, provocando rejeição por parte dos destinatários. Simplifique o conteúdo. Concentre-se na mensagem principal, ela levará o destinatário ao objetivo da ação.

O topo da mensagem é visualizado primeiro, utilize-o para a identificação da empresa e para transmitir o objetivo da ação. Se a mensagem estiver clara e objetiva, será transmitida não apenas para os que costumam ler, mas também para os destinatários que visualizam rapidamente.

Não utilize apenas imagens. Deve haver um equilíbrio entre textos e imagens. Lembre-se de diferenciar as mídias offline e online. Cada uma requer sua própria abordagem.

Considere o hábito de visualização do destinatário

Seus clientes não interagem com o e-mail marketing da mesma forma que o fazem com a mídia impressa ou páginas da web. Diagrame a mensagem de forma que a informação fique pertinente com a ação.

Imagens podem ser bloqueadas em muitos programas de e-mail. Para que a mensagem principal não seja perdida, inclua sempre um texto alternativo nas imagens (Alt Tags). Não esqueça que alguns leitores de e-mail não aceitam Html, portanto, inclua sempre a versão texto (plain text).

Preocupe-se com a entrega

Lembre-se que antes de ser entregue na caixa postal dos destinatários, a mensagem é submetida a rigorosos filtros anti-spam. Existem diversos filtros e, dentre eles, há o filtro por palavras, que pontua o e-mail marketing de acordo com as palavras encontradas no texto, podendo classificá-lo como spam. Prefira ferramentas de e-mail marketing que contemplem o teste de spam. Assim, antes do envio, será possível fazer as alterações de texto necessárias, melhorar a pontuação do e-mail marketing e evitar que seja bloqueado por spam.

Respeite o seu destinatário

No processo do opt-in (permissão de recebimento de mensagens eletrônicas), ofereça sempre opções por assunto e frequência de recebimento de mensagens.

Nunca esqueça do double opt-in: envio de mensagem para confirmar e ativar a opção de recebimento. Deixe clara a sua política de privacidade.

Lembre-se que o destinatário lhe concedeu a permissão para comunicar-se com ele através do e-mail. Não abuse desse privilégio!

por: Walter Sabini Jr.

Scott Heiferman, co-fundador do Fotolog, publicou uma lista com 50 razões que levam as pessoas a não utilizar ou visitar um site.

Selecionei e traduzi as melhores (na minha opinião), adaptei algumas e deixei outras de fora pois só fazem sentido para os americanos. Veja também a lista original (em inglês).

. Porque ele resolve um problema que elas não têm;

. Porque ele não resolve um problema que elas têm;

. Porque ele não faz elas economizarem tempo ou dinheiro;

. Porque ele não faz elas ganharem dinheiro;

. Porque ele parece uma propaganda, e as pessoas detestam propaganda;

. Porque ele é muito complicado, ao contrário do Google;

. Porque não tem gente sem roupa, gente famosa ou gente famosa sem roupa;

. Porque elas nunca ouviram falar dele;

. Porque elas não querem ler o que você quer que elas leiam;

. Porque ler a VEJA é mais interessante;

. Porque elas não entendem o que você está dizendo;

. Porque ele usa muitos termos técnicos, e elas não entendem nada;

. Porque elas não querem sentir-se ou parecer burras;

. Porque ninguém disse que elas devem usá-lo;

. Porque elas simplesmente não ligam para o que tem nele;

. Porque não existe uma fila de gente esperando uma chance para usá-lo;

. Porque ninguém que elas conhecem usa o seu site;

. Porque ele é muito chato;

. Porque elas estão muito ocupadas, ou têm algo melhor para fazer;

. Porque ele não diz a razão pela qual elas devem utilizá-lo;

. Porque elas já tentaram uma vez mas alguma coisa deu errada;

. Porque ele não diz o que você quer que elas façam;

. Porque ninguém vai achar que elas são ultrapassadas se não usarem;

por Luigui Moterani

Lembrando os últimos capítulos

Pensaram que a saga tinha morrido? Não, não. Como um goku que levanta as mãos para fazer a grande Genki Dama (é assim mesmo?) eu volto para finalizar de vez essa saga (que realmente, ficou mais demorada que a série toda de Dragoon Ball /* Nota metal: Ando assistindo muito desenho animado*/)

No primeiro capítulo, foi falado sobre o conceito de SEO, o que significa, como funciona, e os principais fatores considerados.

No segundo capítulo, foi falado sobre alguns dos fatores principais que são considerados na hora de otimizar uma página, e foi explicado um pouco mais sobre o motivo deles serem considerados.

No terceiro e penúltimo capítulo, voltamos ao conceito de SEO e vimos porque vale a pena investir nessa otimização para o site.

E agora, veremos as últimas dicas, e para quem ainda estiver com fome, algumas fontes para estudar um pouco mais.

Dicas úteis (ou nem tanto assim)

Escreva Semanticamente o código

Use as tags certas nos locais certos. Se é titulo use <h1>, não <img> ou <p> (para imagens como título, use o “image replacement” ou seja, um título em texto que é substituido por uma imagem qualquer). Assim é dada a relevância certa aos locais certos do documento. Se seu site é sobre uma empresa, porque você vai querer dar destaque a palavra “sopa” que aparece uma vez em um texto mas que por acaso foi usada a tag h1 nela?
Use mas não abuse das Meta Tags

Alguns sistemas de busca ainda dão um certo peso à elas, mas evite colocar lixo nessa parte. Nela podem vir informações importantes como autor, país, linguagem, palavras-chave, descrição do site, programa que gerou o documento, codificação, dizer a aos robôs de busca onde devem procuram o conteúdo, ou onde podem, ou quem pode… Enfim, há várias aplicações para elas. Ah, sim, o Google as ignora completamente 😀
Coloque títulos nos seus links

Além de um texto descritivo no link (o que vai entre o <a> e o </a>) é interessante colocar título no link pois ele pode melhorar sua relevância, ou mesmo ele pode ser a única forma de dizer para onde vai o link (em casos em que o texto do link não faz sentido, por exemplo quando é uma “seta” [< – > ]ou um número).
Cuidado com links quebrados

Um site cheio dos famosos “Erro 404” pode ter seu rank abaixado. Tente tirar proveito dele, colocar uma página de busca no 404, ou no mapa do site, ou mesmo em uma página para que o erro possa ser reportado.

Metáforas demais são perigosas

Várias vezes em conversas por msn com amigos blogueiros, vejo as palavras chave “absurdas” que levam as pessoas aos blogs, pelo simples fato dela estar em um título, ou em um link, ou repetida demais no texto, mesmo que ela seja apenas uma metáfora. Como “grobo”, “orkut sem o mouse”, “site onde tem muitas musicas de funk”, “tem curço gratis”… Acredite, isso é tudo retirado do log de vistas do meu blog. Se pessoas já têm dificuldades para entender metáforas, imagine um pobre script.
Fique atento ao tamanho dos seus documentos

Alguns mecanismos analisam o tamanho e a quantidade de palavras de um documento, para definir o seu ranking em uma determinada busca. Algumas palavras tendem a buscar documentos maiores, outras menores, fique atento ao seu foco de otimização (se é para deixar os documentos maiores ou menores).

O tal do “Nofollow”

Muitos sites utilizam desse recurso quando o próprio usuário tem a possibilidade de criar o conteúdo, então coloca-se o nofollow (“não siga”) na tag de link (<a rel=”nofollow”) então os dispositivos não seguem o link. Mas se colocar, por exemplo, o nofollow em TODOS os links do seu site, isso que dizer que esses links não existem, ou seja, seu site é uma ilha isolada longe dos mecanismos de busca :P.

Pra quê frames?

Imagina só, você descobre que seu site tem um ranking muito bom em tal palavra, e quando clica no link esperando que o google leve você a home do seu site, você vê ele abrindo a “menu.html” que, por acaso, tem somente o menu, já que seu site é feito em frames. Chato né? Mas acontece. E muito. Aliás, você terá sorte se o google apontar para o seu site feito em frames, ele tem problema com elas (e também há problemas graves de acessibilidade com frames, mas não vem ao caso). Porque não usar a simplíssima técnica de “case” em php? Ou outras infinitas formas de se juntar os pedaços da página em uma, sem utilizar frame (nem iframe).

Textos bem escritos são fundamentais

Colocar as palavras certas, nos locais certos, na quantidade certa. Se você souber dividir bem as suas palavras chave e “pingá-las” ao longo do texto e em títulos, você ganha uma relevância maior em buscas por essas palavras. Mas se seu site for relevante, isso vem naturalmente, junto com links de amigos (de preferência com PR alto :D) e um código (que já foi tão falado) bem escrito.

Como avisar nunca é demais, a prática de spam é punível por todos os mecanismos de busca, se você investe nisso (nem que seja apenas tempo e neurônios para melhorar seu site) você fica no mínimo alterado quando vê algum site cheio de spam e táticas para melhorar o pagerank de forma ilícita (bonita a palavra :D), então basta denunciar para a google (ou para qualquer outro mecanismo).
Considerações finais

“Agora que eu segui passo a passo, meu site vai aparecer em primeiro em todas as buscas, eu vou deixar ele e vou dormir e viver de AdSense”? Não.

Agora que você otimizou o seu site, você pode (e deve) procurar mais conteúdo e manter sempre atualizado, pois a melhor propaganda que há é o site relevante.

Por Rochester Oliveira

Nos artigos anteriores, foi falado sobre o conceito de SEO e depois em um artigo mais prático que teórico, foi falado sobre os fatores que são considerados no pagerank. Mas acho que falei pouco sobre as reais vantagens de se investir em SEO, ou mesmo de se estudar isso tudo. E neste penúltimo episódio da série falaremos sobre as vantagens do SEO.

Para entender as vantagens basta lembrar no que consiste as melhorias feitas para aumentar o pagerank de uma página. São melhorias, primeiro internas e estruturais, depois algumas mudanças no conteúdo, de forma a dar mais importância às palavras desejadas, e por fim os links externos, que fogem ao controle do desenvolvedor, mas que se o site for mesmo relevante virão naturalmente.

Vantagens 

Propaganda mais eficiente.

Houve um tempo em que banners funcionavam. Agora uma taxa de 1% de cliques (em relação ao número de acessos) já é absurdamente alta. Geralmente porque banners fogem ao contexto do site, diferente das buscas. Alguém que chega ao site pelo dispositivo de busca está procurando por isso, tem interesse. Pode ser aquele cliente grande, ou um estudante em busca de informações para um trabalho, mas geralmente é o público-alvo do seu site. E as buscas funcionam melhor até mesmo que os links patrocinados, com um custo (geralmente) mais baixo e fixo (por um retorno maior).

Conteúdo mais atualizado nos dispositivos de busca.

Quanto maior o pagerank geral do site, menor é o tempo entre uma visita e outra dos robôs de busca, que atualizam o conteúdo nos sites de busca, adicionando novos textos, palavras chave, títulos, ou mesmo melhorando o pagerank da página. Isso evita a demora para serem achadas as novas palavras que você tenha inserido, apesar de as páginas ficam no cache dos sistemas, mantendo arquivadas mesmo páginas antigas.

Otimização do código HTML, Redução de custos, Carregamento mais rápido (uso dos Web Standards).

No processo de otimização são feitas alterações no código, que geram diminuições do tamanho dos arquivos, pois é removido todo o lixo que há no código (para tornar partes mais relevantes, e facilitar a classificação pelos robôs de busca). Isso gera diminuição no consumo de banda, e do tamanho total do site, gera um carregamento mais rápido, já que os arquivos estão menores e há poucos (ou nenhum) erros no código (melhora considerável, que varia de 30% a 70% a menos de tempo de carregamento no geral) fora as vantagens de ter o código seguindo os padrões.

Acessibilidade.

Ao se otimizar o site, até robôs de busca conseguem navegar facilmente pelo site (seguindo os links, e lendo o conteúdo sem problemas com frames, tabelas, redirecionamentos por URL, ou conteúdo encriptado em outras mídias) e o usuário também, tornando o site acessível até mesmo para deficientes, e também torna a navegação possível mesmo com o CSS desabilitado.

 Facilidade de alteração no layout.

Geralmente no processo de otimização há a separação do conteúdo e da formatação (mais uma vez para facilitar a definição do que é importante ou não no site) então a criação e implementação de novos layouts (mesmo que não seja o foco de um processo de SEO) fica mais fácil e rápida.

Considerações finais.

É interesante ver como uma vantagem é ligada a outra, ao se melhorar em uma parte, melhora-se também em outras tantas, mas isso tudo tem um custo, e um tempo para que haja o retorno.

Acho que a maior dificuldade encontrada é demonstrar que investir nessa área (como em outras tantas áreas que são ignoradas por muitos profissionais) trás retorno. Não é algo onde se “perde dinheiro”, ou mesmo tempo. Isso vale tanto para os profissionais verem que é algo que vale a pena quanto para os clientes (mas para que o cliente invista nessa área é necessário algum profissional para mostrar as vantagens desse investimento, e o retorno que pode trazer).

Como já foi dito em um artigo (vi no webinsider, acho) otimizar um site é tornar relevante, promovendo melhorias tanto no código, quanto no conteúdo (muitas vezes sem nenhuma alteração visual) que promovem além da melhora no desempenho das buscas orgânicas, muitas outras vantagens faladas aqui.

por Rochester Oliveira


Seja Bem-Vindo!

@andrehsantana

outubro 2017
S T Q Q S S D
« abr    
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031  

RSS Feeds Deliciosos

  • Ocorreu um erro. É provável que o feed esteja indisponível. Tente mais tarde.

Blog Stats

  • 240,327 hits