andré.santana [webdesign blog]

Archive for fevereiro 2008

 iphone
A Apple anunciou que o iPhone terá novos recursos para reforçar sua concorrência com os populares aparelhos Blackberry, da Research in Motion. Entretanto, a empresa só vai revelar detalhes sobre o software para o aparelho no dia 6 de março.
De acordo com Tim Cook, vice-presidente de operações da Apple, a empresa está muito confiante em atingir a meta de vender 10 milhões de iPhones até o final do ano. Afinal, as ações da empresa, após queda de 30% nos três meses anteriores, recentemente subiram 3,7 por cento, com bom volume de transações, superando a alta de 3,2 por cento, para 122,96 dólares, registrada no pregão regular da Nasdaq.

Fonte: INFO Online

Anúncios
Entrando em um endereço na internet, você saberia dizer se é um site ou um aplicativo? Qual a diferença entre um e outro? E por que desenvolvedores de aplicativos não trabalham mais sem o auxílio de um designer?

Salvo exceção, você desenvolvedor já foi chamado por um cliente com o seguinte pedido:

“Quero que você desenvolva um aplicativo para mim, que funcione na internet, e que permita publicação, votação e comentários em artigos”.

Designers também costumam ouvir algo do tipo:

“quero que você faça um site para mim. Esse site tem que publicar artigos, permitir que os visitantes votem no melhor e também façam comentários”.

Tendo em vista o que seu cliente pede, você que é desenvolvedor, entrega um site ou um aplicativo?

Responda rápido, se for capaz. Identifique nas 10 alternativas abaixo, quais são sites e quais são aplicativos:

Se você respondeu que os dez são sites, ganhou nota 5. Se você respondeu que os dez são aplicativos, também ganhou nota 5. Mas se você respondeu que os dez são um misto de site e aplicativo, ganhou nota 10.

É isso mesmo. A diferença entre um e outro está cada vez menor e os conceitos estão mais confusos, mas vamos tentar esclarecer um pouco. Com o surgimento da web 2.0, então, o abismo de antes virou uma valeta rasa. Para encurtar o assunto, praticamente todos os sites que usamos hoje têm, por trás, aplicativos que o fazem funcionar.

Vamos tomar como exemplo um prato self-service da internet: um blog. Quando falamos em “criar um blog”, estamos usando vários programas que recebem o que você escreveu, gravam os dados no banco de dados, mostram em ordem descrescente de postagem, filtram por categorias, etc.

Concorda que são programas? E concorda também que um conjunto de programas forma um aplicativo (ou sistema, no jargão da minha época)?

Quando você instala um plugin num blog, você está inserindo um novo programa ao aplicativo já existente, não é mesmo? A questão é que isso tudo melhorou tanto, que esses detalhes técnicos passam despercebidos por nós, a maioria do tempo. Mas continua sendo um conjunto de programas (um aplicativo).

Então vem a pergunta: é um site ou um aplicativo?

A diferença está no que o visitante do site (que usa o aplicativo) percebe e o que o seu cliente (que paga pelo site) determina. O ideal é que o visitante do site (que usa o aplicativo) tenha a sensação de estar usando um site e que seu cliente (que paga pelo site) tenha a oportunidade de definir todas as regras do aplicativo; por mais óbvias que sejam.

Não entendeu direito? Vamos analisar as duas visões aparentemente antagônicas.

Se você lançar um aplicativo na internet, provavelmente ninguém vai querer usá-lo. Aplicativos são conhecidos por serem complicados, precisarem de manual e treinamento. Ou ambos. Cada aplicativo tem um visual diferente. Já um site é outra coisa. Bem melhor! A simples possibilidade de usar um serviço baseado no browser dispensa até treinamento. Quer um exemplo? As suites online de escritório: Google Documents, Editgrid, Zoho, etc. Você precisou de treinamento para usar esses sites (aplicativos)?

Para uma empresa, que vantagem, hein! Além do gerenciamento centralizado, temos uma interface comum que qualquer pessoa está acostumada a ver num webmail, grupo de discussão ou portal de notícias. Isso é ter a sensação de usar um site. O que fala mais alto aqui é o lado psicológico de quem usa.

Por outro lado, toda essa simplicidade aparente não descarta a necessidade de regras, validações, projeto de banco de dados, segurança, log de erros, etc. Isso tudo faz parte do projeto de um aplicativo, certo?

Então, vem novamente a pergunta: é um site ou um aplicativo?

Você, como desenvolvedor, continua fazendo programas que recebem dados, faz a validação dos campos, grava ou busca informações numa base de dados e entrega uma resposta. Igualzinho como fazia em aplicações desktop ou centralizadas. O que mudou foi a forma de apresentar o resultado ao visitante (que usa o aplicativo).

Por esse motivo é que nós, que somos desenvolvedores de aplicativos, não conseguimos mais trabalhar sozinhos sem um designer para dar aquele visual de site ao nosso aplicativo.

Ou, como diriam os designers, não seria possível entregar o site sem o programador para inserir todas as regras de funcionamento e processamento dele. Um não vive mais sem o outro.

E é muito bom que seja assim. Esse é o motivo da enxurrada de frameworks e técnicas para separar a lógica de negócio da apresentação dos dados. Como podemos dizer no popular, “cada macaco no seu galho”.

Portanto, para o visitante (que usa o aplicativo), deixe o designer apresentar um site. Ele se sentirá bastante à vontade. Afinal, um site é fácil de usar e bonito de se ver.

Mas para o cliente que pediu o site (e que paga pelo seu serviço) desenvolva um aplicativo. É esse cliente quem vai definir aquele monte de regras, que perfil de usuário pode fazer o quê, qual a política de segurança, qual a complexidade das interações, aprovar seu modelo de informações, pagar pelo seu serviço, etc.

Tenho certeza que ambos ficarão felizes com a simplicidade do site e o controle do aplicativo. Cada qual com seu pedaço. E você, com um bom case em seu portifólio.

por Vinicius Assef

mala-dinheiro

Definir o preço de um projeto gráfico, para web, muitas vezes é o passo mais difícil na montagem de uma proposta comercial.

Neste artigo, espero esclarecer algumas dúvidas apresentando uma metodologia de cálculo de honorários a partir dos custos dos serviços.

Em virtude da profissão “designer” não ser regulamentada no Brasil, não existem diretrizes oficiais que determinam preços e pisos salariais.

Entretanto, existem associações profissionais como a ADG (Associação dos Designers Gráficos do Brasil) que estipula parâmetros de valores para horas técnicas de trabalho (homem/hora ou h/h) e para serviços gráficos em geral.

A primeira coisa que devemos saber quando pensamos em um orçamento, é que existem dois tipos de custo, o custo direto e o custo indireto.

Custo Direto

É resultante do valor da mão-de-obra somado a outros custos diretos, ou seja, outros custos relacionados diretamente ao projeto específico (impressões, fotografias, transporte, materiais de escritório consumidos, programação…)

A mão-de-obra é resultante do total de horas de trabalho no projeto multiplicado pelo valor do homem/hora.mão-de-obra = horas de trabalho x valor do homem/hora

Para calcular o h/h, primeiro devo ter em mente qual a remuneração mensal do profissional e dividí-la por 175, que corresponde a quantidade de horas trabalhadas no mês (considerando que o profissional trabalhe nos 5 dias úteis da semana, 8 horas por dia) ou devo ter um valor fixo previamente estipulado por hora.

1 h/h = salário mensal / 175

Com a soma do valor total da mão-de-obra do(s) profissional(ais) (MdO) e dos outros custos diretos(O), temos o valor do custo direto (CD)

CD = MdO + O

Custo Indireto

São os custos que não estão diretamente relacionados com o serviço, mas são indispensáveis para a manutenção, infra-estrutura e divulgação do escritório.

O cálculo parte de um índice de custos indiretos (ii) no qual deve ser considerado o total de custos indiretos (CI) divididos pelo total de custos com a mão-de-obra (MdO). Índice de custos indiretos baixos é sinônimo de eficácia e produtividade e aumentam a competitividade. O ideal é que o ii não ultrapasse 0,5, ou seja, 50%.ii = CI / MdO ~= 0,5

Para calcular o custo indireto do projeto, devemos multiplicar o índice de custos indiretos pelo total da mão-de-obra.

CI = ii x MdO

Lucro

Lucro (L) é uma porcentagem aplicada sobre o total de custos. Para calcular o total de custos (C), devemos somar o custo direto (CD) ao custo indireto (CI).

C = CD + CI

Com a definição do valor do custo, multiplicamos por uma determinada porcentagem (X %) para obter o valor do lucro.

L = C x X%

Preço Parcial

Com a soma do custo indireto (CI) ao custo direto (CD) com o lucro (L), temos o preço parcial (PP) que ainda deve ser acrescido de impostos.

PP = (CI + CD) + L

mpostos

Os impostos a serem incluídos no valor final do projeto, variam de acordo com a situação legal de cada profissional.

Se o profissional for autônomo, temos o ISS (em SP de 5%) e o INSS (11% do pró-labore e o contratante deve pagar mais 20% do valor). Se for Pessoa Jurídica do tipo Ltda., temos o ISS, PIS, COFINS, IRPJ e o CSLL (juntos totalizam aproximadamente 17,33%) e o INSS (11% do pró-labore). Se for Pessoa Jurídica do tipo ME, temos o SIMPLES FEDERAL (a partir de 5,5%) e o INSS (11% do pró-labore).

Preço Final

É o preço a ser apresentado para o cliente (P). É a soma do preço parcial (PP) e dos impostos.

P = PP + Impostos

por Marcos Paes de Barros

Trabalho do brazuka Ícaro Doria para a Revista portuguesa Grande Reportagem. Uma releitura do significado das bandeiras em paralelo com fatos conhecidos dos países.

Campanha Bandeiras

Agência : FCB Portugal
Producto: Revista Grande Reportagem
Anunciante: Revista Grande Reportagem
Director Creativo: Luis Silva Dias
Redactor: Icaro Doria

Director de Arte: João Roque
Executivo de Contas: Andrea Vallenti
Ilustrador: João Roque

brazil-flageu-flagusa-flag

surrupiado de //DesignFlakes

tam-nova-logo

A TAM acabou de lançar sua nova identidade institucional e visual, com campanha da Y&R. O novo logo, também desenvolvida pela Y&R em parceria com a Design Z, adota formas mais arredondas e agrega ainda o desenho de uma gaivota azul (estilizada), reforçando o amor à aviação.

por Comunicadores.info

Tags: , , ,

Seja Bem-Vindo!

@andrehsantana

fevereiro 2008
S T Q Q S S D
« jan   mar »
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
2526272829  

RSS Feeds Deliciosos

  • Ocorreu um erro. É provável que o feed esteja indisponível. Tente mais tarde.

Blog Stats

  • 240,327 hits